Congonha de Bugre

November 12, 2016

          Com um facão na cinta e um saco de linhagem nas costas, eu penava para acompanhar as largas passadas de Chico da Mata enquanto a gente se embrenhava por um cerrado cada vez mais denso. Os galhos desviados por ele, vez por outra me alcançavam de cheio e por isso dei de andar mais na larga, recuado de seu poderoso enxadão sempre dependurado nos ombros. 

          Na descida de uma grota, enquanto me equilibrava para não me arribar com as pernas pro ar, dei reparo numa lindeza de planta, com folhas de um verde profundo e brilho incomparável. Parei e indaguei ao Chico que já caminhava bem à frente, se ele tinha ciência daquela planta. Grande conhecedor dos segredos sertanejos, fez uma pose estudada, se virou e com as mãos na cintura me deu uma esnobada...

          __ Uai, cê num conhece uma tanteira de prantas? E essa coizica daí cê num sabe? Tô te estranhando... Meio sem graça, dei reparo nos detalhes daquela folha de nervuras bem definidas, dura, pendurada num pau seco e fino, formando mais uma moita que uma árvore. Resignado, me rendi a minha absoluta insignificância:

          __Conheço não Chico, pare de mistério e me diga logo o que é...

          __ Pois antão! Tu tá com a Congonha de Bugre nas mão. Eita que isso dá um chá gostoso sem base! Carece de você colher um bocado das foias, que loguinho vamo tumar um chá lá em casa. Tendeu? Assenti com a cabeça e humildemente fiz a coleta, enquanto matutava como é que aquele homem conseguia distinguir tantas plantas no meio de outras tão parecidas. Ao final da tarde do mesmo dia, pude comprovar o sabor agradável do chá que veio acompanhado de generosos pedaços de queijo fresco. Ainda com perguntas na cabeça, mas sem querer “entregar” minha ignorância ao Chico, voltei prá casa e me lancei na busca de mais informações sobre as propriedades medicinais da Congonha de Bugre (Rudgea viburnoides).  

          São muitas as indicações e talvez a mais conhecida seja sua ação tônica cardíaca, com clara indicação nos quadros de arritmia. Outra qualidade é o estímulo a diurese, regularizando as funções renais ou o excesso de ácido úrico circulante, que invariavelmente provoca fortes dores nas articulações das sofridas crises de “gota”. De quebra, ela também atua nos casos de aumento das taxas de colesterol, triglicérides e até agora todos os testes farmacológicos apontam que seu uso é extremamente seguro.Foi assim que se dei com essa coisica, que além de ser gostosa, tem uma tanteira de indicações. Até breve!

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Cavalinha, a planta do brejo

November 12, 2016

1/1
Please reload

Posts Recentes

November 8, 2017

August 21, 2017

July 26, 2017

July 16, 2017

July 7, 2017

June 11, 2017

June 4, 2017

Please reload

Arquivo