Parto no Sertão

July 16, 2017

Parto no Sertão

 

         

 

Num gastou nem bater palmas pra Maria do Céu apontar na porta da frente de sua casa, enxugando as mãos nas alvuras de seu avental, protejedô de seu vestido multicolorido. Depois dos primeiros cumprimentos, cacei jeito de assentar num banco antigo, disposto no avarandado da casa simples e fresca. Maria também se acomodou na outra ponta e deu de me contar sobre o casamento da filha de sua vizinha de roçado. E daí a se lembrar dos antigos, foi um tim. “Pois é seu Marcos, quando tinha casamento por aqui, as muierada se ajuntava formando um rodeiro lá no meio do mato, fechado em derredor da noiva, prela se trocar da roupa de poeira que vinha se ajuntando indesde a roça. E os home tamém fazia a merma coisa pra dar tratamento no noivo”

          Enquanto seu olhar percorria as mãos calejadas pelos fazimentos  cotidianos, eu tentava me dissolver no ar pra num atrapalhar o encantamento das histórias, enquanto ia anotando tudinho. “E as muié num dilatava tempão iguarmente hoje pra se apresenta prenhe. Antigamente muié buxuda era tudo saudia, tomando conta de casa, barrendo terreiro, lavando roupa, cuidano de roça. De premeiro as muié trabaiava muito na roça ajudando os maridos. Buxudas, elas num procuravam nada e nem ninguém, só mermo na hora das dores de nascimento que se buscava a parteira.”

          Com um sorriso aberto e as bochechas rosadas de alegria, ela continuava a contar suas aventuras que eu não ousava interromper: “Já segurei muito minino nessas minhas mão, tirava eles, rezava em riba do buxo pro resto do parto sair e dava de primeiramente cuidar do bebe. Era cortano o umbigo, dano banho nágua morna, e dispois se dava um tiquim de óleo de mamona misturado num chá de funcho, pra tirar a ferragem que fica garrada nas entranha. Se ele já nasce na berração caçando comida, o melhor é buscar uma muié que já tá dando leite, pois os dois ou três primeiros dias vem pouco ou nenhum leite na mãe.”

          Maria levava seu olhar para um longe, colorindo as palavras com sua poesia vivida no simples. “A muié parida ficava quieta, apartada de fazimentos, só tomando chá de raiz de salsa e mentrasto. Por três dias ela num arribava da cama. Se o parto se desse cedo, era servido um pirão de frango novo sem os pés, com uma dose de garrafada. Mas se fosse do meio dia pra tarde, ela só vinha bulir em comida dia seguinte cedo. Por seis mês ela num podia comer fava e nem repolho, nem dobradinha, nem pequi ou quiabo.

          Dispois de sete dias é que o minino dava de sair pra fora da casa. Curava umbigo com azeite de mamona misturado com rapé de fumo, molhando em derredor do pé do umbigo. As vez num tinha fumo e a gente usava pena de galinha torrada para se misturar no azeite e aplicar. Um paninho alvinho era furado no meio vestindo o umbigo, antes de fazê a amarração da faixa para proteger a barriguinha do miúdo.” Prá minha tristeza aqui ela deu ponto de parar com as lembranças daqueles tempos.

          Mas ligeiro, ela me arrastou pra cozinha enquanto passava um café servido com os enfeitos de suas quitadas. Pois é minha gente, vida na roça tem tempo de ouvir e contar. Ontem escutei e hoje conto. Inté mais vê!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Cavalinha, a planta do brejo

November 12, 2016

1/1
Please reload

Posts Recentes

November 8, 2017

August 21, 2017

July 26, 2017

July 16, 2017

July 7, 2017

June 11, 2017

June 4, 2017

Please reload

Arquivo