Cheiro de Infância do Sabugueiro

May 21, 2017

 

          É na primeira infância que, uma vez percebido um “cheiro”, ele se aloja em nosso cérebro e é identificado na sequência da vida sempre que fizermos contato com aquele aroma, trazendo a lembrança da mesma emoção, o mesmo sentimento vivido lá nos começo da vida. Pois comigo se dá essa magia quando me inclino para perceber o suave perfume das flores do Sabugueiro (Sambucus nigra). Imediatamente me vejo no enorme quintal da casa de minha avó Joana, com ela do lado enxugando as mãos no avental imaculadamente branco, os pés se arrastando em folgados chinelos e os longos cabelos brancos presos num discreto coque no alto da cabeça. Seus lindos olhos azuis brilhavam quando fazia referencia as suas plantas, carregando os “rr” para exaltar a origem francesa. Hoje, com meu olhar adulto vejo que o quintal era minúsculo...

          Certa vez minha irmã mais velha, Nana, teve sarampo e eu ainda era uma pessoinha à toa enrolada nos panos. Minha vovó Joana se apavorou e na prevenção, dispôs um cacho de flor de sabugueiro no meu berço para evitar a fadiga de doença tão braba em menino tão acanhado. Dizia ela que dava proteção. Anos depois minha mãe me contou que indesde aquela época eu era esganado e acabei por comer as florzinha tudo. Acho que derivado disso ainda num tive sarampo. Pode ser que se deu aquele efeito Obelix, que caiu na panela de porção mágica e nunca mais teve necessidade de tomar a tal...

          Carrego comigo carinho especial no manuseio do Sabugueiro, e aos poucos venho tomando tenência de seu valor como estimulante do sistema imunológico, devido as altas concentrações de vitamina C. Além disso, os antioxidantes encontrados em suas flores combatem os famigerados radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento das células, as doenças do coração, derrame e até o câncer. Mas o que mais escuto dos entendidos de raizada sobre o Sabugueiro é a valença de suas flores pra acudir os casos de doenças que ficam recolhidas, do tipo catapora, gripe e resfriado com aquela dorada no corpo. Na febre ele é poderoso, pois age instigando o cabra a suar de encharcar os pano. E ainda tem uso nos tratamento de tosse, rinite e alergias.

          Como é uma planta medicinal que aportou por aqui vinda do velho continente, por lá o delicado aroma de suas flores cobertas com água quente, tem fama de limpar o sangue, curando feridas e pustemas, além de eliminar pedra nos rins, tratar da nefrite, queimadura e reumatismo. Essa mesma porção pode e deve ser utilizada para clarear e amaciar a pele, fazendo parte de cremes, loções e géis. Entrando, na onda das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCS), as flores frescas enfeitam e são consumidas nas saladas da turma natureba. Gostoso sem base!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Cavalinha, a planta do brejo

November 12, 2016

1/1
Please reload

Posts Recentes

November 8, 2017

August 21, 2017

July 26, 2017

July 16, 2017

July 7, 2017

June 11, 2017

June 4, 2017

Please reload

Arquivo