Araticum pra Gotoso

May 14, 2017

 

          Dia desses tava encarapitado no derredor de um braseiro, assoprando um enorme fole no intento de amolecer um feixe de mola de caminhão. A ideia era fazer daquilo um facão e a lâmina em brasa esticada por riba da bigorna recebia severas marretadas do Tião, mestre nessas artes aqui do sertão. Homem sério, dotado de muitas habilidades, ele aos poucos foi dando forma a ferramenta.

       O trem tava inté dando-se acerto, quando adentrou na oficina, João Barriga meio que se arrastando. Seu rosto tava vermelho qual o fogo da forja e um dos pés descalços se apresentava qualmente uma pipa, de tão inchado. A cada passo, ele soltava uma praga e fazia uma careta, dando maior visibilidade ao seu sofrimento. Pois foi me vendo e destampou na contação de seu drama: “Ô seu Marcos, é essa danada da gota, num tô me aguentando em pé. Passei essa noite em claro esperando amanhecer pra buscar recurso e dar fim nesse sofrimento. Pois chego na farmácia e num tem o remédio... Maria valei-me!”

          Fiquei observando sua expressão injetada pelos olhos vermelhos da insônia e me alembrei que a Gota é uma doença que aparece derivado do excesso de ácido úrico circulando no sangue, fazendo com que cristais de sódio se depositem nos tecidos e articulações, gerando dor e inflamação que acompanha os “gotosos”. Tem uma planta afamada nas tratativas de casos como o do João, que é o Araticum, Anonna crassifolia. Planta típica de nosso cerrado, nessa época do ano esparrama seus frutos de paladar arenoso, cheiro adocicado e até enjoativo nas feiras sertanejas.

          Foi só o tempo de falar sobre essa possibilidade, que ele logo se interessou e já foi se apoiando em meu braço enquanto dizia: “por misericórdia você sabe donde arranjo desse remédio aí? Num tô me aguentando de dor”. Maldade demais deixar um amigo em sofrimento e prontamente me dispus a buscar um bocado da entrecasca da árvore, pois sabia de um pé dele beirando a cerca da casa de Mariinha de Antônio. Pois fui num pé e voltei noutro, gastei tiquim de tempo. Trouxe uns galhos que rapidamente raspei a parte morta da casca, se dei na entrecasca e bati forte com um porrete até que ele deu de soltar grandes lascas, que fui picando em pedaços menores.

          A água já tava no fogo e joguei um punhado equivalente a pouco mais que uma colher de sopa das cascas, deixei ferver e esperamos até dar ponto de tomar. Num pude deixar de lhe alertar que nos casos como o dele é fundamental seguir uma dieta pobre em proteína de origem animal, coisa de seu conhecimento, mas totalmente esquecido quando fora da crise. Aos poucos ele foi se acalmando enquanto tomava o chá em grandes goles e acabei por leva-lo em casa para evitar o sofrimento da caminhada. Poucos dias depois nos esbarramos na rua e ele fez festa agradecendo “santo remédio, jogou água na fervura”.

          O facão até hoje ainda não tá pronto, mas o remédio do João Barriga até já deu resultado... Inté mais vê!

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Cavalinha, a planta do brejo

November 12, 2016

1/1
Please reload

Posts Recentes

November 8, 2017

August 21, 2017

July 26, 2017

July 16, 2017

July 7, 2017

June 11, 2017

June 4, 2017

Please reload

Arquivo