Vinhada de Jatobá na Amazônia

April 27, 2017

          Durante uma viagem ao Pará na região do Rio Capim, em plena floresta amazônica, me vi arrodeado de muitas formosuras nesse canto do mundo de meu Deus, onde a natureza é gigante e suas histórias encantadoras. Pois foi ali que topei com um mateiro da região, Raimundo, e se demos logo uns com os outros. Num gastou uma prosa muito longa e deixamos acertado que dia seguinte iríamos dar uma banda fora do acampamento prá vê se dava jeito de tirar um bocado do afamado “vinho de jatobá”.

          Na saída do sol fui de encontro ao novo amigo, mas assim que ele viu que eu tava levando uma moça interessada em participar da pequena aventura, o tempo fechou naquela cara de lua cheia. Dali em diante ele era só resmungo. Depois de um bom tempo andando em silêncio por uma trilha no meio da mata, consegui fazer com que ele me explicasse tamanho enfezamento. “Pois óia moço, num lhe conheço muito não, mas nossa tarefa tá quase sem sentido, pois cê trouxe essa muié com nóis na buscada desse vinho! Cê num sabe que muié faz o Jatobá escondê o vinho?” Espantado, percebi que minha amiga Joana tava distraída com alguma coisa pouco mais adiante, mas mesmo assim ela ouviu os reclamos. Ainda incrédulo, consegui balbuciar um tímido “NÃO” e tentei fazer piada com a coisa e deu que seguimos em frente até uma clareira rodeada de árvores enormes, em frente a um gigantesco pé de Jatobá (Hymenaea caubaril).

          Meio a contra gosto, Raimundo estacou diante do tronco maciço, e tirou da algibeira um trado, ferramenta aparentada com o saca rolha, na intenção de fazer um furo até chegar ao centro do caule, onde corre o “vinho” ou a seiva que alimenta o Jatobá. Uma nuvem de mosquitinhos “marium” arrodeou nosso grupo e literalmente transformou nossa modesta expedição num inferno. Aquilo zoava e pregava no suor que descia em bicas pelo rosto e braços, entrando pelas narinas, nos ouvidos... Foi quando de repentemente Raimundo grita: “Óia o vinho aí seu moço!”

          Rapidamente colocamos um balde logo embaixo do furo para aparar uma verdadeira cascata escura que jorrava aos borbotões. Conseguimos coletar quase 7 litros do vinho, que de acordo com o mateiro, só desceu porque “a menina não tava menstruada...” Joana, que acompanhava o arrelio dele com sua presença, se apavonou toda, subiu no salto e soltou tamanca: “só se demos com o vinho porque eu vim junto pra abençoar essa coleta. Ces precisava mesmo era de uma muié aqui prá dar conta do serviço”... Raimundo tentou fazer cara de paisagem, mas acabou se dando por vencido.

          Ele ainda cortou cuidadosamente um galho mais fino, e fez uma espécie de rolha, com o qual tampou o furo. Saiu resmungando baixinho “para o ano vorto pra busca mais”. De sabor terroso e adstringente, a este vinho são reputadas inúmeras propriedades medicinais, principalmente aquelas ligadas à impotência sexual e aos problemas de fraqueza física, respiratória e até das dores derivadas da fibromialgia. A indicação é de uma colher de sopa duas e três vezes ao dia para os adultos e metade da dose para crianças ou idosos.

          Outra parte do Jatobá muita utilizada é sua resina, que tem aspecto aparentado com um vidro amarelado. Colhida diretamente no tronco, ela não se dissolve na água e por isso é moída até se transformar num pó bem fino e armazenada. Quando surge a necessidade, uma pitada deste pó é adicionada a um ovo quente, aquele ovo que cozinha a clara e ainda mantém a gema amolecida. A indicação é tomar ainda em jejum nos casos de bronquite, asma, pneumonia e até tuberculose.

          Numa outra incursão às margens do rio São Francisco ouvi de uma moradora, que quando se dá uma fratura ou um ferimento profundo na carne, este mesmo pó é despejado num pano encharcado com água de morna para quente. Em seguida é colocado sobre a parte afetada, amarrando bem e depois de seco ali se forma uma placa rígida, que só se solta quando o osso já tá soldado ou o ferimento cicatrizado.

         A entrecasca retirada dos galhos laterais também tem ótimos resultados nas afecções pulmonares, além de dar força e vigor a homens e mulheres que reclamam de fadiga e desinteresse sexual. A receita é simples: coloque um punhado das cascas numa garrafa de vinho tinto seco, deixe curtindo por uns quinze dias, coe e tome uma pequena taça pela manhã e outra a noite. Vixe! Diz que sai até faísca!

 

Receita de Bolo dos Frutos do Jatobá

          De começo tem que ir raspando os frutos numa peneira de aço e coletar a farinha que vai caindo numa bacia colocada logo abaixo. Daí se deve despejar o obtido numa tacha e levar ao fogo só pra dar uma “secada” e num ficar grudenta. Separe uma xícara e meia dessa farinha, adicione outra xícara e meia de fubá de milho de moinho d`água, uma colher de sopa de fermento, acrescente 3 ovos, uma pitada de sal, três colheres de manteiga, uma xícara de melado, misturando tudo numa bacia, batendo bem. Despeje numa forma de bolo untada e polvilhada, levando ao forno já quente e deixe por aproximadamente uns 40 minutos. Sirva essa delícia com um cafezinho bem quente. Bão demais!

 

Receita fornecida por dona Dos Anjos, de São Francisco (MG)

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Cavalinha, a planta do brejo

November 12, 2016

1/1
Please reload

Posts Recentes

November 8, 2017

August 21, 2017

July 26, 2017

July 16, 2017

July 7, 2017

June 11, 2017

June 4, 2017

Please reload

Arquivo